Páginas

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Areas de atuação na indústria de games

Existem 3 grandes áreas de atuação na indústria de games que um jovem profissional pode (e deve) focar. Embora no futuro, principalmente se você for ter uma empresa indie, você terá que saber um pouco de cada área, é sempre importante no começo escolher uma área para se desenvolver mais e se tornar um especialista.

Geralmente no curso de ciências da computação ou sistemas de informação o foco é a programação, então dessas 3 areas os alunos desses cursos passam por somente uma. Porem qualquer um pode desenvolver o seu conhecimento e habilidades através de uma palavrinha (mais pra recurso) magica que existe hoje em dia. É ela mesmo...a internet!

Qualquer que seja a área de atuação que você decida se especializar, a internet é o caminho para você aprender e por em pratica tudo o que precisa para se tornar um expert.
Sem mais delongas, vamos as áreas:

Programação: “são os responsáveis por desenvolver toda a lógica do jogo. Existem várias especialidades que podem ser seguidas nessa área, dentre elas o desenvolvimento da física do jogo, da inteligência artificial, da renderização gráfica, do processamento sonoro, da jogabilidade, da interface do usuário, dentre inúmeras outras.
Sérgio Oliveira

O programador será aquele que cria toda a logica que dará a vida ao jogo. Existem inúmeras especializações dentro da programação, e nessa área geralmente o profissional precisa ter conhecimentos das teorias da computação (como grafos, estruturas de dados) e de matemática/física (muito, mas muito mesmo, usada no dia a dia dos jogos).
Especializacoes incluem (mas não se limitam): engine, gameplay, physics, network, AI (artificial intelligence), UI (user interface), render (computer graphics e shaders).

Game Design: “são os responsáveis por projetar o jogo como um todo, desde a formulação do conceito do jogo, até a sua jogabilidade. Para tanto, precisam estar atentos às notícias e tendências da indústria.”
Sérgio Oliveira

Enquanto o programador instrui o computador em como o jogo funciona, é o game designer que dita para o programador o que deve ser feito no jogo. Explicando melhor, o game designer cria mecânicas e sistemas (em sua cabeça) de como o jogo deve funcionar, e passa para o programador.
Imagine o jogo do Mario. Foi um game designer que decidiu que seria um jogo de plataforma, onde o Mario anda sempre para a direita, ele pode correr, andar e pular, ele pode matar inimigos pulando na cabeça deles, ele tem upgrades (inclusive um que faz ele voar), ele tem um tempo limite para passar de fase, e um limite de vidas (que pode ser aumentado coletando moedas ou cogumelos verdes). Depois disso o game designer foi e decidiu quais são e como funcionam os inimigos do Mario. Depois disso ele decidiu como serão os leveis (fases). E por ai vai...
Então tudo que é mecânica de jogabilidade, alguem teve que pensar e planejar, e esse alguém é nosso game designer.
Algumas especializações de game designer são: gameplay, level design, narrativa e roteiro, game feel, character, enemies, combat.

Arte: “são os responsáveis pelo desenvolvimento de toda e qualquer coisa que exija arte visual. Podem se encaixar na concepção da arte, na modelagem 3D dos personagens, do cenário, animação, texturização, iluminação, dentre tantas outras que envolvam imagem.
Novamente, Sergio Oliveira

O trabalho de um artista é o de dar sentimento, estética, vida ao jogo! São eles os responsáveis por elaborar o visual e som de um jogo para que o jogador se sinta imerso na experiência.
Pegando o Mario como exemplo, eles que desenham e animam cada personagem, o ambiente e cenário, a interface do usuário, e criam os sons épicos que lembraremos para o resto da vida (https://www.youtube.com/watch?v=VH8mQRXemuo).
Algumas especializações dentro dessa área são: Concept, Character, Environment, UI, trilhas sonoras (OST), efeitos especiais sonoros (sound FX), cutscene (animações ou vídeos).

Percebam que não existe jogo sem esses 3 especialistas, ou melhor, sem essas 3 áreas.

Existem outras especializações? Sim, mas vocês somente chegarão nelas após ter uma das acima...

Percebam que estou misturando propositalmente inglês com português, pois como disse no artigo anterior, é hora de aprender inglês! (What time is it? Its adventure time, but in english!)

Refs:


domingo, 4 de outubro de 2015

Quero trabalhar com games (yeyyy)! Tá, mas o que eu preciso para isso?


Se você é um aluno que esta iniciando o seu curso de computação, ou desenvolvimento de jogos, ou simplesmente um profissional que quer mudar de carreira, esse artigo vai te dar a diretriz inicial (ou pré-requisitos mesmo) para iniciar uma carreira na indústria dos games (jogos).

Eu (game developer, professor de desenvolvimento de jogos) considero essencial esses 3 pontos para inicio:
  • Entusiasmo e vontade
  • Inglês
  • Motivação de um mercado mais exigente

Vamos explicar cada um deles.

O primeiro ponto é o do entusiasmo e vontade. Essa é uma área que exige do profissional uma grande paixão pelo tema. Se você quer ser um programador java, não precisa amar java. Se você quer ser um game developer (desenvolvedor de jogos) PRECISA amá-los.

Felizmente esse é o requisito mais fácil para a maioria das pessoas, principalmente as mais jovens, que já nasceram na era digital.

Mas o requisito vai além, é preciso ter realmente muita vontade para trabalhar nessa área. Considerando o mercado indie (depois posso falar mais sobre o tema), a maioria dos desenvolvedores já desistiu de projetos por falta de motivação. Tem muitos artigos sobre o tema, uma pre-pesquisa rápida para vocês:


Essa recomendação de artigo nos leva ao ponto 2, o inglês! A língua inglesa já é essencial para quem pretende trabalhar na área de computação, tecnologia da informação, ou ate mesmo tecnologia pura. Mas se você pretende trabalhar na área de jogos, ou simplesmente fazer seu jogo como um hobby, inglês é vital. Ou seja, sem saber inglês é impossível, então se você ainda não sabe, aprenda. (hoje em dia tem varias formas...ver series com legenda em inglês e depois sem legenda, sites que ensinam, arrumar um amigo americano e praticar com ele conversação por Skype, ou simplesmente pagar uma escola ou prof. particular para aprender)

Por fim, o ultimo pré-requisito, é novamente a motivação! Mas nesse caso vista de um ângulo diferente. Para quem trabalha em empresas grandes, é de conhecimento publico o árduo trabalho de se fazer jogos, envolvendo rotinas de trabalho de 60 a 80 horas semanais por anos. O chamada Crunch, a rotina de trabalho em que se gasta cada segundo possível de sua semana trabalhando, geralmente é adotada no final de projetos, para evitar atraso. Infelizmente o Crunch já virou o padrão, e hoje é adotado desde o inicio do projeto, e é uma das grandes causas de burnout e evasão de ótimos profissionais da área (e em parte, o que motivou a revolução indie).

Muitos artigos falam sobre o assunto e seus males, mas as grandes empresas continuam utilizando o Crunch como regra.


Quem acha que o Crunch é exclusivo de empresas grandes, e quer fazer sua própria empresa para desenvolver jogos indies e assim evitar o Crunch, também esta enganado. Os desenvolvedores indies mais famosos admitem publicamente trabalhar tanto quanto trabalhavam em empresas grandes (com Crunch), com a diferença de que eles trabalham para eles mesmos (para a empresa que eles criaram).


Então é importante estar ciente de que é uma carreira que vai exigir muito de vocês. (Como ilustração vejam o filme Indie Game The Movie: http://buy.indiegamethemovie.com/)
A seguinte figura mostra o tempo de Crunch de desenvolvedores no mercado



Fonte: http://www.gamasutra.com/view/feature/188671/game_developer_qualityoflife_.php

Além disso, uma outra parte importante no quesito motivação, é a comparação com outras possíveis carreiras. Porque ao escolher uma carreira, você está deixando de escolher varias outras. Esteja ciente que outras carreiras na TI, geralmente, envolvem salários melhores com horas melhores. Se você quer ser desenvolvedor indie então, entenda que dinheiro será sim um grande problema. Vários desenvolvedores indies famosos contam suas historia de como sobreviveram comendo Nissin Miojo por anos (sim, o macarrão instantâneo, pq ele é barato!) até conseguir o seuprimeiro jogo de sucesso:


Se você não se assustou tanto para já ter desistido, então parabéns! Bem vindo ao time, jovem motivado desenvolvedor de games!